Real Messi vence Madrid no Santiago Bernabéu

12 abril, 2010


No sábado, milhões de espectadores pelo mundo fora, puderam confirmar que o Barcelona é a grande equipa de futebol de Espanha e da Europa. Todos os milhões de euros gastos por mais um projecto megalómano Florentino Pérez foram por terra contra uma equipa chamada Barcelona. Não basta ter os melhores (como já aqui disse) é preciso continuidade, trabalho e acima de tudo uma verdadeira equipa na ascensão da palavra e ai Guardiola é rei e senhor.

O Barcelona entrou no Santiago Bernabéu de um modo diferente do habitual. Messi foi o avançado/médio centro. Puyol jogou a lateral direito, enquanto Milito jogou como titular no centro da defesa. Daniel Alves actuou como extremo- direito. Estas novidades justificam-se pela ausência de Ibrahimovic, a inexperiência de Bojan e a má fase de Henry. Mas as mudanças não se trataram apenas improvisos para colocar 11 jogadores em campo. Muito se deveu a uma adaptação táctica dos catalães.

O Barcelona respeitou o Real Madrid. Não poderia ser diferente: as duas equipas dividiam a liderança, os madridistas jogavam em casa e tinham Cristiano Ronaldo. Por isso, uma táctica diferente. Puyol ficou como lateral – onde já actuou algumas vezes, o suficiente para fechar melhor o lado direito, o preferido por Cristiano Ronaldo. Para não perder o potencial ofensivo de Daniel Alves, Guardiola colocou o brasileiro como (um atacante mais recuado) na direita. Messi ocupava esse espaço, mas já estava confortável actuando com mais liberdade, pelo meio. E assim foi.

A nova formação deu grande vantagem aos blaugranas no duelo pelo meio-campo. Daniel Alves e o jovem Pedro eram os extremos, mas ajudavam para marcar os laterais merengues. Messi era diferente, do meio do terreno, ia pela direita, pela esquerda, marcava e iniciava os contra-ataques. Xavi armava o jogo. Busquets e Keita ficaram mais fixos como médios-defensivos.


O Real Madrid ficou asfixiado. Gago ficava apenas na marcação, Xabi Alonso não conseguiu fazer nada com seus passes longos e Van der Vaart foi uma decepção. Marcelo tentava imprimir velocidade, mas teve apenas espaço nos raros contra-ataques merengues. Com Higuaín perdido entre a defesa culé, Cristiano Ronaldo era a única opção viável para o ataque do Real. E o português não fugiu do jogo. Tentou, mas sempre esbarrou na falta de companhia. Pellegrini foi acusado – e com alguma razão – de dar poucas opções para mexer tácticamente, até porque Kaká está lesionado e Granero (que tem sido aposta) nem no banco ficou.


A partida foi bastante táctica. O Real Madrid tomou a iniciativa, mas nada tinha criatividade. O Barcelona, sem a sua característica habitual de guardar a bola, preferia bloquear o adversário e estudar o oponente, fazendo um jogo de paciência. Nessa altura, quem tem mais talentos, leva maior vantagem. Num lançamento magnífico de Xavi, Messi cortou da esquerda para o meio, encontrando um espaço entre Albiol e Gago, driblou o primeiro com um toque de peito e abriu o marcador.

O golo apenas acentuou as características da partida. Os merengues aumentaram a sua suposta pressão, enquanto os catalães dispuseram de mais espaço para contra-ataques. Pedro ampliou o marcador numa dessas oportunidades e Messi poderia ter feito mais dois golos do género (Casillas defendeu). Perto do final da partida, quando a disposição defensiva relaxou, o Real Madrid aproveitou e até teve algumas hipóteses de reduzir.


O Barcelona teve mérito ao vencer o clássico na casa do rival. Xavi foi o grande jogador em campo, mas parte do crédito deve ser dado a Guardiola, por mostrar conhecimento da sua equipa, coragem para mudar a equipa num jogo importante e anular o adversário.

Pela primeira vez na história, o Barça vence duas partidas seguidas no Bernabéu - tinha, na época anterior, alcançado o inesquecível resultado de 2-6 - e dá um duro golpe ao único rival na luta pelo título. Ganhou o melhor.

Quanto a contas, o Barcelona tem três pontos de vantagem sobre o Real Madrid. Mas, na prática, são quatro. Os catalães têm vantagem no confronto directo e, em caso de empate pontual, ficam com o título.

Resultados da 31ª Jornada da Liga Espanhola 2009/2010

Real Madrid - Barcelona, 0-2 (Messi 33' e Pedro 56')
Málaga - Sevilha, 1-2 (Caicedo 17'; Cala 66', Lolo 85')
Villarreal - Sp. Gijón, 1-0 (Godín 16')
Maiorca - Valencia, 3-2 (Castro 6', Webó 21', Manuel Fernandes 63' npb; Jordi 47', Pablo Hernández 85')
Espanyol - Atlético Madrid, 3-0 (Víctor Ruiz 47', Osvaldo 68', Iván Alonso 91')
Athletic Bilbao - Almería, 4-1 (Javi Martínez 13' e 49', Gabilondo 32', Llorente 51'; Piatti 71')
Deportivo - Racing Santander, 1-1 (Riki 1'; Toni Moral 83')
Osasuna - Saragoça, 2-0 (Aranda 2', Vadocz 90')
Xerez - Getafe, 0-1 (Rafa 60')
Tenerife - Valladolid, 0-0

Vídeo

Real Madrid 0-2 Barcelona
Messi 33'
Pedro 56'


Todos os golos da 31ª jornada da Liga Espanhola


Fotos: AP

Página Inicial

1 comentários:

Blogger disse...

There is SHOCKING news in the sports betting industry.

It has been said that any bettor must watch this,

Watch this now or stop betting on sports...

Sports Cash System - Advanced Sports Betting Software.

Enviar um comentário

Home - Aposta X

 

Aposta X - Futebol e Apostas Online